sexta-feira, 26 de março de 2010

E agora para um bocadinho de cultura

Na Praça da Galiza, no Porto, há um outdoor com uma paisagem muito gira ao pé do mar e uma pessoa em contra-luz com uma mensagem discreta escrita em baixo que diz:

"Faz tudo como se alguém te contemplasse." Epícuro


Aaaaaaaaaaaaah, mas que pensamento fantástico! Profundo! Resolvi torná-lo o meu mote de vida! Para todas as grandes coisas, mas para as pequenas também! Todas as pequenas coisas do dia-a-dia!

... depois apeteceu-me ir à casa de banho arrear o calhau e vi que se calhar o sr. Filósofo não estava a ver bem a coisa. Ou então teria prisão de ventre...

21 comentários:

Djinn disse...

ahahahah ai tu és demais! o que eu já me ri. Consegues abardinar o mais filosófico pensamento :P
Olha que é preciso talento!

Abobrinha disse...

Eu acho que prisão de ventre é muito filosófico. ;-) Pelo menos dá tempo para filosofar!

Anónimo disse...

Olá Abobrinha.
Pois eu penso precisamente o contrário. Faz tudo e tem cuidado não sejas observado. Mas observar sempre que possível, já que a minha turbulenta passagem por este mundo de desgosto, imergindo aqui, emergindo acolá, ensinou-me que neste mundo há sempre uma grande vantagem em ver sem ser visto a ver.
Agora, faz tudo sabendo-te observado, ou como se fosses, o que para o caso não me parece fazer diferença apreciável, penso ser uma completa idiotice.
E mais! Faz tudo sem te deixares lobrigar, e sobretudo, não sejas apanhado.
Penso que o ilustre pensamento do digno filósifo ainda merece uma análise mais profunda, e seguramente ainda cá virei discorrer.
É um prazer comentá-la.
Bom fim-de-semana

Carlos

NI disse...

Eu concordo com o Carlos.

Imagina o que seria a nossa vida se estivessemos sob o olhar atento de todos.

Com os apreciadores da vida alheia que andam por aí, ia ser bonito...

JP disse...

Abo,
és mazinha!
Logo hoje que sentia as baterias quase quase carregadas e depois de uma bela jantarada... tinhas que vir com o calhau. :(

:)
és mesmo maluca... o raio do post está um espectáculo.
LOLL

Psst! Aqui entre nós que ninguém nos lê... o que se passa com a Ni... para não achar piada à piada?

Bem vou continuar a recargar as baterias... depois regresso.

Um grande fim-de-semana. :)
Beijinhos

JP disse...

*recarregar.
Sorry!

Paula disse...

Até para arrear o calhau é preciso fazê-lo com arte... hehehe

Bjs e bom fds***

Dorushka disse...

E eu que li tudo com uma atenção desmedida, a pensar que ia aprender alguma coisa e sai-me uma destas! O que eu já me ri!
Reitero, cada vez gosto mais de cá vir!

Dorushka disse...

E já agora, se me é permitido, queria deixar aqui uma questão ao Carlos: afinal você tem um blog ou não?

Joaquim Simões disse...

'Bobrita:
Ser humano que é ser humano, isto é, alguém que não é anjo nem Deus, é-o porque, entre outras coisas (essa incluída), c... d... aga, m... u... ija, etc. Se o não fizesse, não seria um ser humano, mas um outro ser qualquer (igualmente respeitável).
A obsessiva aversão à trampa, ou melhor, à ideia de que se possa ser um ser que a produz, de que uma parte da humanidade dá permanentemente mostra, para mim é mais prova de doença do que de saúde, de amarfanhamento do que de elevação espiritual. Daí que, ao contrário do que dizes, deves mesmo d... c... fecar como se estivesses a ser observada, porque isso significa assumires o gozo de seres humana e de estares viva.
Viva a m... t... erda! Viva a humanidade! E vivam os desodorizantes que ela inventou!
Mai'nada!
(estou a recuperar, caramba!)

Anónimo disse...

Olá Abobrinha e caríssimos leitores do blog. Para todos uma muito boa-noite.
Depois de profunda análise, não só ao texto como aos comentários, ainda mantenho a minha de que o melhor mesmo é fazer as coisas camufladas de olhares estranhos. As boas e as más. E isto porquê?
Porque as más, aquelas que sem quaisquer dúvidas razoáveis nem imaginárias, são as que realmente a malta gosta e nos dão prazer; ninguém precisa de as saber porque senão aí anda o infeliz nas bocas de gente invejosa.
E as boas também ninguém precisa de tomar conhecimento porque nos vão chamar burros.
Posto isto, discrição nunca é de mais.
Assim como aproveito para esclarecer quem porventura ainda não saiba, que para além de discrição, o segredo também é muito conviniente para uma vida sem grandes sobressaltos. Por isso nunca contes o segredo que um dia te valeu; pode ser-te preciso mais uma vez.
Sigam esta doutrina que é de quem sabe.
Cara Dorushka. Claro que pode perguntar à vontade que não incomoda nada. Não tenho Blog já que a minha passagem por aqui foi assim uma coisa como quem conduz e sai de mão.
Escrevo sim, mas não num blog pois isso iria obrigar-me a uma cuidada atenção, que na verdade não tenho disponibilidade para ela.
Então que vim aqui fazer? É normal que pergunte. Pois, vim espraiar um pouco as ideias e fugir à obrigação de matar uma adorável personagem, cujo destino desde sempre esteve traçado.
Mas como tenho imensa pena dela, ando por aqui fugido sentindo-me o maior criminoso deste mundo.
Para todos, um óptimo e feliz fim-de-semana

Carlos

Abobrinha disse...

Carlos

Escreva um blogue. Não é uma obrigação: cada qual escreve quando quer, o que quer e quando lhe apetece. E quando não apetece... não escreve!

"a minha passagem por aqui foi assim uma coisa como quem conduz e sai de mão"

Isto só confirma que aqui não se aprende nada: este blogue é mesmo um acidente!

"vim espraiar um pouco as ideias e fugir à obrigação de matar uma adorável personagem, cujo destino desde sempre esteve traçado"

... agora tenho medo de perguntar o que faz para ganhar a vida. É que se não for escritor, não tenho imaginação para mais que não envolva sangue...

Abobrinha disse...

Ah, e em relação a estar a ser vigiada, não tenho ilusões de que o estou, a toda a hora. Tento esconder-me o mais possível e vou conseguindo manter a minha intimidade. E sim, observo e estou atenta.

... e fecho a porta da casa de banho à chave, por via das dúvidas...

Abobrinha disse...

Ni

... e ainda por cima na casa de banho!

Abobrinha disse...

JP

Rir é uma maneira de recarregar baterias! E ajudou-te a fazer a digestão, não? ;-)

Abobrinha disse...

Paula

Fechando a porta, de preferência. E já agora, com uma desodorisante para aqueles dias mais embaraçosos...

Abobrinha disse...

Doruska

Aqui não se aprende MESMO nada! Não há filósofo morto há muito tempo que escape!

Em contrapartida, o pessoal diverte-se!

Anónimo disse...

Olá Abobrinha.
Já fechou o post mas como deixa lá umas perguntas, vou-lhe responder. espero que me desculpe.
Blog não escrevo com certeza, pelos motivos que já expliquei. Não tenho mesmo tempo, palavra!
Que aqui uma pessoa se diverte, isso é inegável. Tenho-me divertido imenso, não só com os seus textos repletos de fino e inteligente humor, como com os comentários dos seus leitores. Gostei de a visitar.
O que faço para ganhar a vida; pois...olhe! Não faço nada. Nadinha de nada, tirando o escrever um pouco, sempre menos do que desejaria; ler um pouco mais, ver futebol na TV e brincar com uma adorável e encantadora menina acabadinha de fazer seis anos, e que é toda a razão da minha existência. A minha querida e inefável neta Inês.
Pois também pensei que poderia ser escritor, fiz por isso, mas...acho que nunca serei. Apaixono-me pelas minhas personagens com tal intensidade que depois quando chega a hora das desgraças lhes acontecerem, paro e não tenho coragem de lhes fazer mal.
Aconteceu assim com um livro em que escrevi 300 páginas em quatro meses, e demorei ano e meio para escrever as outras 77 em que a desgraça se abatia sobre a doce e bela Isabel.
Agora tenho outro quase completo, o editor insiste comigo, mas como tenho pena dos desgostos por que vai passar a bela e generosa Diana, ando por aqui fugido, como já disse, e não tenho coragem de o terminar.
Mas tenho de o terminar, compromissos são compromissos e têm mesmo de serem cumpridos.
Mas depois deste feito não sei mesmo se vou escrever mais. Acho que vou brincar mais com a minha neta e deixar de andar a provocar desgraças às pessoas.
Aproveito para me despedir de si, e de todos, pois vou mesmo terminar esse malvado livro que tanto remorso me provoca.
Foi um prazer comentá-la, gostei de a conhecer, e desejo-lhe que sempre a vida corresponda às suas expectativas.

Carlos

Eu Mesma! disse...

lindo :)

Abobrinha disse...

Carlos

As suas visitas são um prazer, e espero que volte em breve.

Mmmmmmmmmmm... não fazer nada que não escrever e brincar com uma netinha de 6 anos... quando for grande também quero ser assim! E logo nessa idade, que são tão giros!

Pois em relação aos personagens... é em papel! É por isso que eu gosto de filmes de terror e sangrentos e de assassinos em série: não é verdade! É uma fantasia. Mas pronto, os personagens não são meus.

Espero que volte em breve: eu e os meus leitores apreciaremos! Ah, e os posts não fecham: há pessoal que comenta coisas que se escreveram há um ano!

Abobrinha disse...

Eu Mesma

É lindo, mas não se aprende mesmo nada!