quarta-feira, 7 de outubro de 2009

O dia em que eu questionei se queria mesmo ser mãe...mas isto depois de me partir a rir!!!!

Ninguém fez a ligação entre as fotos no post abaixo. Mesmo porque não era fácil e era preciso ter visto o mesmo programa na televisão que eu. Aliás, os mesmos dois!

O primeiro era a biografia da ex-modelo Janice Dickinson, a jovem de 54 anos abaixo. Ah, e para quem pensa que se pode continuar exactamente assim daquela idade, fica a saber que (confessamente) aquele bom aspecto tem mais que photoshop! E faz ela bem, apesar de parecer um pouco espantada demais (quase assustada... ou assustadora?). Foi a modelo a quem se atribuiu a origem do termo "super-modelo".


Como modelo foi um sucesso e, para além da moda, contribuiu para um sector em particular da economia americana. A saber: distribuição e comercialização de cocaína, que financiou como consumidora ávida e regular.

Neste momento, como muita modelo reformada, tem outros afazeres. Entre elas uma agência de modelos (que original!). E é aqui que entra a foto do rabo que não o do Sadeek e a minha dúvida em relação a uma maternidade futura!



Ora o segundo programa que eu vi era sobre a agência de modelos da Janice. Em particular sobre o "making of" daquela foto... e é de ir às lágrimas! Estranhamente, é para uma marca de roupa!

O jovem começa a sessão de calções. Até que um fotógrafo decide: "tira os calções".

E ele tira. Desconheço se reforçaram a maquilhagem às modelos para que elas não corassem tanto, mas estou desconfiada que sim.

Tira-se umas fotos e eis senão quando se ouve do fotógrafo dar uma ordem a um assistente (e neste ponto eu recomendo a quem esteja de pé que se sente, senão não me responsabilizo): "pega numa gillette e rapa-lhe os pêlos do rabo". E o jovem cidadão que dá a cara... bem, o cú... bem... as bochechas de trás pela marca de roupa (????) dá o corpo ao manifesto (no caso, a parte do corpo descrita atrás com dificuldade) e é rapado à frente de toda a equipa de fotografia. É que estar todo nú com a mão no bolso não era já suficientemente embaraçoso, na minha opinião e na daquele povo.

E eu a pensar: anda uma mãe a criar um filho para lhe raparem os pelos do cú em público e mostrarem na televisão?

Umas fotos depois diz o fotógrafo para as modelos: "tirem também a roupa, de modo a dar mais impacto à fotografia"! É que estar a ser fotografada a olhar fixamente para a pila de um gajo também não é suficientemente embaraçoso. Mas neste ponto a Janice põe à prova o seu pragmatismo e língua solta quando se vira para ele: "isto não é para vender roupa? Se nenhum dos três tem roupa, o que é que se está a vender ao certo?". Ainda tentaram argumentar que era para pôr ao lado da piscina e tal, mas não colou.

No fim foi LINDO ver o modelo masculino a explicar de quantas maneiras não tinha ficado embaraçado por ter tirado aquelas fotos naqueles preparos. De modo algum tinha também ficado minimamente embaraçado por ter tido os pelos do rabo rapados à frente de toda a gente! E foi aqui que eu pensei: posso um dia ter um filho assim... valerá a pena?

Ou seja, questionei seriamente se quero ser mãe! O risco é simplesmente grande demais! Por outro lado, fiquei a saber que quando for mais nova não quero ir para modelo. Fotógrafa de moda, pelo contrário, há-de ser interessante, porque posso mandar fazer as coisas mais idiotas do mundo sem que me questionem. Pelo menos até uma fulana com uma boca grande (nos dois sentidos) dizer alguma coisa que faz um pouco de sentido.

E pronto, eram estas as minhas reflexões! O mundo da moda é fabuloso, não?

P.S: O modelo para a estátua do Perseu, uns posts atrás tem um rabo mais interessante, não tem?

23 comentários:

Pamat disse...

Metade do dinheiro foi investido em plasticas, e em cremes XPTO. xD:P. alem de como escreves-te estar photoshopada ehehe;P.

Deve ter muitas preocupações diarias(sacrasmo)!

Storyteller disse...

Tem, sim senhora. Aliás, diria que o Perseu tem um rabo clássico!

Também vejo, de quando em vez, o programa da Janice. Ela é desbocada, dura, por vezes muito mal-educada. Mas de vez em quando ela tem uns rasgos de sensatez.

NI disse...

Uma vez por outra vejo o programa da Janice.

Uma dúvida subsiste: ela ainda anda metida na cocaína, não anda?

É verdade que por vezes tem alguns rasgos de lucidez mas tem cada comportamento...

E agora estou a imaginar o Sadeek a ser obrigado a rapar os pelos...

Eu Mesma! disse...

mas que raio de programas andas tu a ver miuda??????

isso de ter tv e perigosoooooo

Abobrinha disse...

Pamat

Não creio: o dinheiro das plásticas e botox terá sido ganho depois de estragar muito em cocaína.

Por acaso no primeiro programa fiquei a saber que ela tem, de facto, muitas preocupações diárias: dois filhos, uma carreira numa indústria complicada e um passado que teve como momento "áureo" ter sido abusada pelo próprio pai durante grande parte da vida. Aliás, as últimas coisas que ela disse ao pai antes de ele morrer foram insultos e que não o perdoava nunca.

Fora isso, às vezes é mal educada, mas é uma mulher forte e uma verdadeira força da natureza.

Abobrinha disse...

Storyteller

Então vais-me dizer em que canal é, porque eu apanhei isto em zapping e não me lembro já em que canal. Mais que não seja, posso arranjar bom material para posts futuros!

A Janice é extremamente dura e por vezes mal educada. Mas ninguém a pode acusar de ser falsa: diz o que pensa, seja o que for. No programa que vi sobre ela mostrou, por exemplo, uma intervenção dela no programa do Dr. Phil. O coitado do Dr. Phil estava a tentar convencê-la com o seu cerrado sotaque sulista que ela abusava das plásticas e devia aceitar-se como era e a envelhecer. Ela não tem mais nada: disse-lhe que gostava de gostar dela mesma, que ia continuar a "esticar-se" e que ele só fazia bem em perder peso e fazer uns implantes capilares! Embrulha!

Abobrinha disse...

Ni

Pelo comportamento e comparando com a falta de viço que assola o MEC desde que deixou essas coisas... não é inteiramente descabido! Mas ela também é excessiva por natureza, por isso pode ser simplesmente café a mais.

É assim: rapar os pelos do rabo é embaraçoso já por si. Mas nas circunstâncias que foi... eu rebolei-me a rir da situação e do rapazinho a dizer que não estava DE TODO constrangido!

Abobrinha disse...

Eu Mesma

Preferes o Dexter? É que é o meu programa preferido!

Mas sim, ter televisão é deveras um perigo! Mas dá imenso material para blogar!

Sadeek disse...

Eu bem digo que o meu rabo é o melhor do mundo....mas ninguém acredita!!! ;)

Isto até parece montagem......AHAHAH

BEIJOOOOOOO

Sadeek disse...

Eu bem digo que o meu rabo é o melhor do mundo....mas ninguém acredita!!! ;)

Isto até parece montagem......AHAHAH

BEIJOOOOOOO

Storyteller disse...

Abobrinha,
a Janice aparece às vezes na SIC Mulher.

Tinta Permanente disse...

Já vi o programa e fico com a sensação (só uma pequena sensação) que a mulher é super odiada! eh eh
E olha que esse salto da sessão fotográfica do traseiro do modelo para o tema da maternidade... !
Medo, muito medo !! ah ha
Beijinho
Já me ri contigo! :D

francis disse...

não percebi népia...

inwhitelight disse...

Eu lembro-me de ver o programa dela há uns tempos atrás. Está a passar novamente? Ela tem uma pancada que sim senhora até se admira!

Abobrinha disse...

Sadeek

Aquele rabo é estranho. Mesmo! E não falo da parte em que lhe raparam o rabo.

Fora isso, a foto é estúpida... e alguém me devia explicar como é que se vende roupa com um gajo nú!

Abobrinha disse...

Storyteller

Tenho a sensação que não terá sido na SIC Mulher. E daí, a SIC Mulher está farta de programas acerca de modelos. É interessantíssimo ver de quantas maneiras se pode fazer uma cara assim ou assado para fazer uma pose...

Abobrinha disse...

Tinta

Eu juro que a primeira coisa que pensei quando vi aquela figura (no documentário) foi: anda uma mãe a crir um filho para isto!

A Janice é dura porque teve uma infância difícil... mas a dada altura terá sido mesmo o excesso de confiança da cocaína e da má educação natural. E porque é que ela pode fazer isso? Porque é uma mulher bonita! E tem poder no mundo da moda!

Abobrinha disse...

Francis

... é complicado, pá!

Abobrinha disse...

Inwhitelight

Acho que o documentário acerca da Janice foi no Biography. O da sessão fotográfica não me lembro onde vi.

Quanto à Janice, se por um lado gosto da frontalidade dela, por outro não gosto quando seja o que for passa a falta de educação e consideração pelos outros.

Nuno Coelho disse...

Abobríssima, dá-me lá outro beijo de boas vindas de novo, e tudo o resto. A sério, apreciava esse beijo agora (no tal espírito inofensivo que tão bem caracteriza a ciberesfera). A sério mesmo, bem-vinda de regresso a estas lides, já que ainda não o tinha dito.

Excelente post, mas quase que escusava de o dizer, já que é a isso que nos tens habituado. Maravilhoso, “"O dia em que eu questionei se queria mesmo ser mãe...mas isto depois de me partir a rir!!!!". Havia também um texto, mas prestei menos atenção. Os textos enfermam sempre da tua deliciosa variedade, o título pareceu-me reproduzir melhor um factor repetido. Ou então posso apenas estar a sonhar.

Mas há nuances no post que se enfatizam melhor na caixa de comentários. Recapitulando, tu dizes que rapar os pelos do rabo é embaraçoso já por si, coisa que por falta de experiência pessoal me limito a aceitar como verdadeira. Vem depois a sadeek (espero que seja a sadeek), dizer que o meu rabo é o melhor do mundo. Depois repete. Vens tu depois questionar como se pode vender roupa a um gajo nu, o que é no mínimo estranho: querias vendê-la a quem já a tem? E completas o bolo com uma deliciosa cereja, mencionando num comentário a um post sobre o tema rapar, a frontalidade dela. Abóbora, os extremos a que vais para ajudar o meu já senescente imaginário. E fico a pensar nessa questão de questionares se querias ser mãe…

Desculpa se me candidato ao Comentário Mais Longo De Sempre, e desculpa se comento a caixa de comentários em vez de comentar o post. O que queres? Apeteceu-me variar, e estes apetites, sejam de variar, de ser mãe, ou de rapar o que quer que seja, não se criticam, antes se aceitam. E mais não aprofundo, que para isso existem os mails.

Welcome back, Abobríssima. Fizeste falta por cá.

Abobrinha disse...

Nuno

Dá cá uma fraternal beijoca de boas vindas! Também tive saudades tuas!

Não era vender roupa a um gajo nú, mas com um gajo nú [na foto]. Mas está bem levantado (bem, dada a foto, é um perigo o verbo) o problema: de que bolso é que ele ia tirar o dinheiro para pagar? Ou o telemóvel para avisar alguém que tinha sido apanhado com as calças na mão? ... por assim dizer... Ou pagaria em géneros às assistentes da loja? Tudo questões em que o fotógrafo não pensou: só queria ver nudez, e pelos vistos tanto se lhe dava se era rabos se mamas! E esses gajos são perigosos!

Rapar os pelos do rabo é uma questão recorrente no fascinante mundo da moda. Profundo, sempre em sintonia com os problemas no mundo: afinal, não se resolveria o problema da fome em África se toda a gente depilasse o rabo e mesmo a zona genital? Não resolveria isso (vá lá, pelo menos em parte) a questão do desarmamento nuclear e mesmo dos planos de saúde de Obama? ... talvez não... ... mas ao menos no efeito de estufa haveria de ter algum efeito, não? Mas decidi que o filho que eu eventualmente tenha irá para fotógrafo de moda e não para modelo. Sempre dará menos desgostos à mãe. E sim, é um tema recorrente, de que já falamos várias vezes.

Quanto ao Sadeek, é UM Sadeek super bem disposto e que uma vez desafiado por mim colocou a foto do rabo dele no blogue (está também algures no meu blogue, porque eu não podia deixar isso passar sem escrever um disparate qualquer acerca do assunto).

Quanto a rapar e a frontalidade, arrisco a dizer que a Janice é praticante da coisa (o nome técnico é "brazilian wax"), em complemento do botox e plásticas e porque é "a" coisa em termos de moda. O modelo masculino não sei, mas desconfio que vai passar a ser, não vá ser apanhado desprevenido noutra sessão fotográfica...

K disse...

Já te ocorreu que ele não tenha ficado mesmo constrangido? E elas igualmente? Um modelo profissional está habituado a lidar com a nudez e como tal deixa de haver constrangimentos; é um pouco como o nudismo - deixa-se de dar importância a algo que realmente não tem importância alguma ou não fosse somente um corpo desnudo. Nada mais.

No que concerne a parte do raparem-lhe os pêlos em plena sessão fotográfica até posso dar o benefício da dúvida, mas lá está, por outro lado eles devem estar habituados a passar por tantas e tão poucas, que pode ter sido apenas mais uma situação.

Ou como diria o outro, primeiro estranha-se, depois entranha-se. É que o constrangimento apenas existe na nossa cabeça devido à socialização.

Abobrinha disse...

K

Sim, ocorreu-me que ele não estivesse constrangido. Mas toda a expressão corporal dele dizia o oposto! Fora tudo isso, achei que a fotografia era desenquadrada do produto. Mas aí é mesmo só uma opinião, e vale o que vale.

Quanto a nudez, não tenho nada contra (muito pelo contrário se o material for em condições) e consegue-se fotos de muito bom gosto. Mas este e outros casos que tenho espalhados pelo blogue não são exemplos disso.