quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Rapidinha do dia

"It is during our darkest moments that we must focus to see the light."

Aristóteles Onassis

Conclusões: O Ari vendia lâmpadas e estava a fazer-se a vender óculos (o que nunca ninguém diria, atendendo às antenas parabólicas que ele usava).

Isto está a ficar muito sério! Tenho que aligeirar a coisa, senão ninguém comenta! Para complicada, basta a vida!

8 comentários:

Joaninha disse...

O Ari vendia tudo abobrinha. A mãe, o Pai e uma ou outra cantora lirica com visão quase tão fraca como a dele (Para se apaixonar por aquele coirão tinha de ser ceguinha mesmo :))

antonio disse...

A Calas viu nesse coirão, um homem a quem amar, isso faz-me olhá-lo de outra forma, já a Jaqueline fez um negócio com dias marcados na cama...

Joaquim Simões disse...

Dois seguidos a chamar coirão ao homem: o termo está na moda ou é coincidência?

ZumZumMataMoscas disse...

Abobrinha,

Desde hoje, voltei a ter Internet em casa.
Prometo que a lerei com pouca atenção e que, de quando em vez, deixarei algum comentário inocente.

No entanto, reparei que tem estado muito fecunda que tenho muito para recuperar. Acho que vou deixar para trás e sigo daqui para a frente. Isso mesmo, o que não li não li e bola para a frente.

Angariou uns quantos fieis, não!? ...ainda a tentam recrutar para a Igreja Universal.
Já tou a vê-la a dar uma palestra de porque naqueles tempos o Moisés andava sempre com o cajado na mão.


PS - Será que os seus fieis sabem o que é o coirão?!
Eles que se poinham a falar do Coirão, que os árabes afinam e ainda lhes mandam tirar a toisse.

http://zumzummatamoscas.blogspot.com/

Abobrinha disse...

ZumZum!!!

Que saudades! Receio que estes últimos posts tenham sido a pender para a lamechice. Tem anteriores com elevado grau de sem-vergonhice, mas leia os que entender! Com tempo, sem stress.

Para ser amiga, acho que os mais populares foram os das fufas e os do clone-a-willy.

Isto de facto está com muita audiência. Não sei bem porquê, mas gosto: sou um animal gregário e adoro companhia só para estar e muito para conversar e trocar ideias.

Pessoal que comentava de início é que se foi perdendo, como a Annita, que um dia destes deu um ar da sua graça e desapareceu. Espero que estejam todos bem, mas se na net todos os gatos são pardos, alguns nem se são pardos sabemos. Para o bem e para o mal.

Então e a adaptação à pátria?

Abobrinha disse...

Joaninha

AO tempo que não fazias uma visitinha. Eu sei que a culpa foi minha: deixei o pé no lamechómetro e queimei a embraiagem.

Não te preocupes: já está tudo arranjado.

A Calas era míope como eu, o que só contribui para eu ter grande consideração por ela. O problema que tenho com ela é só um: como se distingue amor de doença? Mas não posso insistir muito, senão força-me a direcção e ainda empena. E a reparação é cara! A não ser que dê para levar para a badalhoquice.

A maior contribuição da Jaquie foi servir de modelo ao Andy Warhol (quem sabe a minha opinião sobre o homem sabe que isto como elogio não é grande coisa) e ter um filho tão lindo como burrinho. E morreu a provar isso mesmo. Foi pena: tinha um grande futuro como Presidente dos EUA. E as qualificações e o pedigree certos!

Dito isto, já estou em piloto automático. Vou dormir!

Joaninha disse...

Antonio,

Também não entendi a Jaqueline, mas enfim cada um é para o que nasce

Abobrinha disse...

Joaninha

Não entendeste?? Money, linda! Uma mulher não vive só de glamour mas também do vil metal!