domingo, 26 de agosto de 2007

A minha rapidinha (que não o foi)

Ora bem, eu já sabia que as rapidinhas não eram a minha especialidade. Cheguei há pouco de Melgaço onde NÃO fiz rafting à noite. Era essa a rapidinha: uma coisa combinada à última. Agora vou pôr as figuras e depois insiro o texto. Assim podem apreciar o meu jeito ou falta dele para montar... imagens, claro!

Voltei. Ora cá vamos!

Eu apresentei a rapidinha no post do Herr Krippmeister sobre o Jack in the box. Rezava o seguinte:

"Pela minha parte reafirmo a minha falta de jeito pelas rapidinhas: basta ver a gaffe que dei no blogue do Ludwig porque estava a ver o vídeo e a fazer mais 50 coisas. Moral da história: não dei conta que era no gozo! Às vezes faço coisas destas!

Dito isto, acabei de acabar de dar uma rapidinha por € 40 (é capaz de ser necessário mais outro tanto). À confiança! Claro que ainda não vou dizer o que é, mas aviso já que para rapidinha vai-me durar o fim de semana inteiro. Mesmo as rapidinhas são relativas, como se pode ver.

(...) A rapidinha vai levar-me longe e deixar-me acordada até altas horas da matina e aos gritos muito possivelmente. É ainda possível (e altamente provável) que me deixe toda molhada. Pelo menos os cabelos!

Vou complementar a falta de peso de uns e o excesso de outros e vai ser importante que a protecção seja justinha e quentinha. Mas não apertada demais, senão nem dá prazer. Mas larga também não (apesar de ficar mais molhada, estranhamente).

Não sei como vai ser com os pés. Espero que não atrapalhe, mas acho que não posso ir de salto alto. Estranhamente isto vem na sequência de uma tampa que levei de uma outra rapidinha. Espero que não doa: é a minha primeira vez!Aposto que não adivinham o que é!"

Perspicaz como é, o Herr Krippmeister Adivinhou que era rafting noturno. Só houve um pequeno problema: eu e as rapidinhas não nos entendemos e o S. Pedro deve achar que eu estou a dever uns créditos a alguém!

Vai daí, mandou uma chuvada e trovoada e relampagos (devia ser interessante meia dúzia de melros pelo rio abaixo a atrair os relâmpagos). Como apagou os incêndios que vi pelo caminho não levo a mal: rafting há daqui a uma semana, ou duas ou três ou um ano. Mas uma floresta demora mais tempo a crescer!

Começo o comentário às fotos pela base de sustentação: os pés. Mmmmm... atentendo a que conduzi 2 horas e pouco para cada lado, seria mais o rabo! Mas eu não vou mostrar fotos do meu rabo! Isso é um privilégio reservado a poucos (muito poucos e muito bem seleccionados). Adiante!

Dizia eu dos pés: lá fui eu de sandalinha! A sandalinha no rio Minho (salvo seja, que para entrar naquelas águas sem protecção era preciso ser suicida!). Estava um tempo lindíssimo e quente e eu já tinha "morenado" um pedaço no carro a caminho e estava a sentir-me transpirada, desconfortável e a precisar de um banhinho quente e uma roupinha lavada.

Mas... é preciso ter cuidado com o que se pede... porque de repente começou a chover! Mas quando eu digo "chover", é CHOVER MESMO!!! Adivinhem QUANDO é que começou a chover? Exactamente: no preciso momento em que saí do carro com as minhas cangalhas todas e sem guarda-chuva!

Parecia um dilúvio: pingas grossas, vento, agulheiras dos pinheiros a serem atirados contra mim... bem, lá tive o meu banho! Não era bem aquilo que eu tinha em mente, mas adiante! Fiquei encharcada!

Lá dentro, depois do check-in feito é que me ligaram a dizer que, por razões de segurança, a actividade tinha sido cancelada. Ora bolas!

Hoje tive que trocar das sandalinhas para as botifarras impermeáveis (isso com a camisola semi-pornográfica que mostrarei adiante fica uma combinação bestial!), como se pode ver ao fundo à esquerda. E mais tarde das botifarras para as sandalinhas porque ficou de novo muito quente! Vá lá entender isto!

Ficam a saber que eu ia para uma rapidinha, mas quem me visse poderia jurar que eu estava a preparar-me para um safari algures na África profunda. Ou para uma expedição de paleontologia na Patagónia (menos a parte do banho, bem entendido). Por isso, Luís, posso carregar as malas, mas fazê-las... é melhor não! Sobretudo porque me lembrei de tudo MENOS de uma porra de um guarda-chuva!

Faço notar que as garrafas de Alvarinho foram compradas lá, no solar do Alvarinho. Entendida como sou em vinhos (sei que têm água, etanol e são feitos da uva... a maioria deles, pelo menos), perguntei à senhora se me recomendava mais este ou aquele para levar para o meu pai. Resposta: "são todos bons!". Se há coisa que eu aprecio é um bom vendedor, mas não podia levar todos pelo que optei pelo que estava em promoção.

Já agora, a traseira daquele carro não é minha: é de um carro espanhol. O meu carro é mais giro, mas não tem paneleirices daquelas. Os bonequinhos são a indicação da casa de banho dos meninos e das meninas na pousada da Juventude.

A Pousada era muito boa, mas não dormi um carago! Não sei porquê, mas deve ter sido do colchão ou da trovoada. Para dar um toque de cor, apresento a minha camisola semi-pornográfica em patchwork. É muito gira e atraiu atenções que dispensava (a camisola ou o facto de ser usada por uma mulher sozinha).


No outro dia, fui ver Melgaço. Os nativos têm sentido de humor assim para o picante (ver concertina vs gaita) e uma torre muito máscula. Podia fazer uma piada com sentido fálico, mas não me apetece: a concertina chega!

É fácil fazer sorrir um melgacence: basta ter a rua limpa (e era o caso). Se tiverem problemas com montros, já sabem a quem ligar! Suponho que a sardanisca que posou para a minha maquininha vermelhinha não conta: é tão linda!

A camisola semi-pornográfica está só aqui para dar cor. E para lembrar que fiz tudo isto de botifarras e camisola de alcinha.


Descobri em Melgaço outro cliente das plantas do IKEA (estou com receio da minha se entusiasmar e começar a crescer, mas ela ainda está com um aspecto inofensivo). Apanhei ainda uma joaninha com o sarampo e com preocupações ecológicas (ver o saco de açúcar). Não dei conta de que o planeta estivesse assim a aquecer: reparei sim que o planeta estava a chover!

Uma vista ainda do meu cartão de alberguista, que tirei pela primeira vez e que tenciono usar mais vezes: o que gasto a mais em gasóleo poupo em alojamento. E eu não sou muito exigente nas dormidas.


Por último, li o Público e não pude deixar de ler a parte da jovem, elegante, loira... que speak english e habla espanhol. Para quê??? Com a boca cheia não conseguirá dizer grande coisa!

Depois fez-se luz: no quilómetro 69 da A3 (eu juro que não inventei!!! Isto é verificável), sentido Norte-Sul aparece-me uma bela localidade, perto de Vila Verde. Ora aqui já há mais espaço de manobra (se bem que desconfio que será mais "ai, ai, ai", pelo que até podia falar uzebeque).

Também dá para ver que o tempo estava de novo a mudar. Mais para sul ainda desabou uma cortina de água bestial. E cheguei ao Porto com bom tempo... vá-se lá entender isto!



Só para não parecer mal, deixo uma foto do rio Minho, que tirei à despedida (estão a ver o tempo limpo?). Só para disfarçar a badalhoquice um bocadinho.

Quero voltar a esta zona, mas sem ser em rapidinha. De preferência também não sozinha: andava a precisar de estar sozinha e sem computador (mas não sem telefone), mas o pior é quando a pessoa se apercebe que os outros se aperceberam de que anda uma mulher sozinha "à solta".

Por exemplo, quando estava a tirar as fotos à joaninha e à minha camisola, estavam um velhotes a observar. Começou-se aquele jogo de olhar fixamente a ver se o homem baixa os olhos e me deixa continuar na minha vidinha, nas minhas fotos e no meu jornal. Até que ele pergunta com um sorriso desdentado e olhar maldoso: "quer que tire uma fotografia?". Ao que respondi na minha voz de macho (tenho uma dessas para estas ocasiões): "não, está tudo controlado". Mas o que me apetecia mesmo era fazê-lo engolir o resto dos dentes.

É triste mas é assim! Foi nessa altura que peguei no carro e vim embora.

15 comentários:

Krippmeister disse...

Valeu pelo passeio né? E só pela alegria que deste aos locais já vais para o céu, e aí com um bocado de sorte vai ser a tua vez de mandar raios aos rafters nocturnos. :-) Cool!

Abobrinha disse...

Herr Krippmeister

Pelo contrário: eu vou ser a santa protectora dos rafters nocturnos!!!

Mas gostei da tua maneira de pensar!

Joaninha disse...

Foi azar Abobrinha!!

Não faz mal Melgaço é lindo, vale sempre a pena voltar para dar mais uma voltinha!

PS: Não te esqueças de deixar uma boa quantia no altar de São Pedro não vá o diabo tece-las outra vez.

Mário Neto disse...

No altar, não. Todas as oferendas devem ser entregues a sacerdotes devidamente qualificados. Se precisarem de alguém que trate disso...

Abobrinha disse...

Reverendo Mário Neto

Ainda não estou completamente convertida à sua religião porque ainda não li, mas acho bem o alerta: há gente perfeitamente sem escrúpulos e que se aproveita de legumes e outros vegetais inocentes.

Vou pedir a acreditação sempre que decidir entregar um donativo.

Aceitam cheques? Precisam de ter cobertura?

Abobrinha disse...

Estou impressionada com a falta de adesão que o post dos soutiens medidos "à la pate" teve. Isso não diz grande coisa dos meninos que têm o cartão de passageiro frequente aqui da hortinha.

Um dia destes posto um mais detalhado e exclusivamente sobre soutiens, a ver o que dá! Por exemplo, sabem o que é uma copa balcony??

Joaninha disse...

Óh senhor reverendo Mario Neto!!!!
Fracamente, no seu caso será no altar das joaninhas, o que elas agradecem e prometem usar a oferenda com toda a dignidade (por exemplo um belo par de sandalias as pintas ehehe:))

Nuno Coelho disse...

Abobríssima,

Olá, long time no see, etc, ou então, quem és tu, seguido de etcs ainda piores. Seja como for, permito-me comentar aqui "a tua rapidinha".

Começo por me dispensar das expectáveis queixas de publicidade enganosa. A tua descrição da "rapidinha", de tanto querer semelhar uma coisa, quando se referia a outra, acaba por apontar iniludivelmente para a primeira. E é aí aque a publicidade se torna enganosa, tu nunca serás mulher de rapidinhas.

Dirão uns que isso é mau, tal como não faltará quem afirme que é bom. Eu, por mim, gosto! o mundo anda rápido demais, e eu, confesso, não tenho pressa.

Enquanto me for permitido, vou voltar a comentar neste blog. Vez por outra. Sem pressas.

Abobrinha disse...

Olá Nuno

Podes comentar à vontade. Na Abobrinha temos diversas modalidades de comentadores:

- frequent flyer
- contribuição ocasional
- rapidinha
- one-night stand
- só leitura
- diversos

O "diversos" é porreiro porque dá para tudo ou para absolutamente nada. Portanto, podes escolher à vontade. Seja como for, é à borla. Ou grátis, se preferires.

Em relação à pubicidade enganosa, estou a tentar lançar-me no mundo do jornalismo ou da publicidade: o primeiro é rico em títulos que não dizem nada (o Jorge Fiel admite-o e aqui já se falou nisso) e a segunda vive disto mesmo.

Mas neste país só se entra em algum lado com conhecimentos (mentira, mas tinha que me queixar de alguma coisa e acrescentar mais um "neste país" para parecer bem).

Agora a sério, e como eu já disse, "what you get is what you see".

Uma coisa é certa: tenho uma quantidade absurda de posts este mês (vai em 32, se não me engano), o que tem como resultado não ler o suficiente nem pensar o suficiente. Ou seja, isto tem que diminuir porque não é sustentável. Um dos blogues que tenho em falta... é o teu, precisamente. Sorry!

Joaninha disse...

abobrinha,

então isto está parado?

Abobrinha disse...

Joaninha... sua insaciável!!! (O teu marido é um heroi, além de um anjo, estou a ver!)

Tenho andado mais ocupada. Mas como digo, a quantidade de posts que publiquei este mês é insustentável.

Os posts seguintes serão sobre os "homem-sexuais" (na sequência de um post do meu Guru Jorge Fiel) e instantâneos. Não sei é quando os vou escrever... sua leoa!

Krippmeister disse...

É uma Joaninha trangénica, com genes de coelhinho pastilhado...

Abobrinha disse...

Herr Krippmeister

Se é transgénica, fica a dúvida: devemos pisá-la??? Eu acho que não! Escondemo-la dos verdes eufémios, não é??

Tenho que postar alguma coisa brevemente, senão começa a parecer mal. Mas tenho andado cansada e com pouco tempo. Sorry!

Joaninha disse...

Por favor, por favor, escondam-me desses homens crueis!!!!
Eu sou trangenica mas não faço mal a ninguem:-)

Abobrinha disse...

Joaninha

"Eu não faço mal a ninguém"... isso disse o Saddam!!! Várias vezes!

Mas nós não te denunciamos... pisava 3 eufémios antes de te pisar a ti nem que acidentalmente.

E depois, todos temos mutações. Os eufémios têm estupidez mutante. Ou imutável? O milho é o ópio do povo... ou assim uma coisa qualquer!