sexta-feira, 24 de agosto de 2007

Da desobediência civil e outros demónios

Do milho transgénico acho que estamos conversados. Mesmo porque não vou dar tempo de antena a quem não o merece: ao milho e aos terroristas ecológicos (em caso de dúvida, refiro-me aos que deram cabo do dito cujo).

Outros casos de desobediência civil, que (na minha mui humilde opinião) merecem destaque, aprovação ou desaprovação:

1. Dizem-me que querem cobrar mais € 15 euros à malta com via verde para substituirem o identificador. Muita malta não está a encostar às boxes porque acha (justamente) que não tem nada que pagar por um identificador porque acabaram as pilhas. Vou mais longe: não deviam (eu incluída) ter pago o primeiro só para começar!!! Então estamos a poupar dinheiro à Brisa, a fazer o possível por extinguir um emprego desumano e ainda temos que contribuir com mais?? Vão roubar a mãezinha deles! Com a agravante que algumas estradas são... enfim, mas isso é para outras núpcias!

APROVADO pela Abobrinha

2. Radares com limite de 80 km/h na 2ª circular (??) em Lisboa (isto vai tornar-me muito popular). Qual é o interesse de andar a mais de 80 km/h num sítio que é mais ou menos dentro da cidade (apesar de não ter cruzamentos)?? Mostrar que se é macho? Aumentar as probabilidades de se ter um acidente? Gastar mais pneus e combustível? Chegar mais depressa à fila (ou mesmo gerá-la!)? Alguém me explique, que eu não entendo!

CHUMBADO pela Abobrinha

3. Boicote ao pagamento de multas do número 2. ANDEM DEVAGAR, PORRA! E escolham as vossas causas! Os tribunais já estão suficientemente entupidos!

CHUMBADO pela Abobrinha

4. Não pagamos, não pagamos. Aqui tenho vergonha de dizer que participei numa manif por outra (mas sempre paguei propinas). Depois cresci e vi que tinha sido manipulada por políticos wannabe de várias cores, mas isso explico noutra altura.

CHUMBADO pela Abobrinha

Há outras coisas, porém, que não entendo porque é que a malta não boicota!

Se eu vos disser que a minha prima gastou 500 euros em livros (l-i-v-r-o-s, não é material escolar!!!) para as duas filhas. A vossa pergunta seria: então em que Faculdade é que elas estão? Nenhuma: uma vai para o 5º e a outra para o 7º ano... alguém me explique o que é que duas catraias fazem com livros tão caros!!! Isto é uma renda! E ainda falta o material escolar (e aí, acho eu, só se gasta muito se se quiser, porque há opções). Não era uma boa ocasião para se juntarem uns quantos de maus feitios e recusar pagar os livros tão caros e impressos naquele horroroso papel brilhante (os meu últimos livros da Faculdade, para meu desgosto também foram impressos assim), a cores, cheios de bonecada e erros? Não se pode ter tudo: muitos não têm um pingo de informação sequer!

APROVADO e patrocinado pela Abobrinha

Podia dizer que os reprovados têm que ir a oral, mas eu não caio assim numa piada tão fácil!!!

3 comentários:

Wild disse...

Tanto quanto sei, ninguém põe em causa os radares que, como o da Segunda Circular, impôem limite de 80km/h. O que se contesta é a existência de radares noutras vias com perfil semelhante ao da Segunda Circular mas que impõem um limite de 50Km/h. Este limite em vias de 2 ou 3 faixas, em zonas sem grande tráfego e sem passagens de peões, apenas contribui para aumentar o número de acidentes, a frustração dos condutores e a facturação pela caça à multa. Um bom exemplo destes locais é a continuação da Av. Estados Unidos da América por cima da Bela Vista.

Abobrinha disse...

Wilt

Aha! Uma reação à desobediência civil!!

Não sei como é que um limite de 50 km/h pode possivelmente aumentar o nível de sinistralidade. Aliás, sei: não pode! Se os acidentes acontecem a 50, é porque seriam muito piores a 80 ou a 100.

Lembre-se que as mulheres, estatisticamente têm mais acidentes, mas são essencialmente "chapa"! Pequenos toques, não perdas totais (vida ou membros incluídos). Por essas e por outras é que têm descontos nas seguradoras: não dão tanto prejuízo! Os homens e mulheres do dinheiro só fariam isto se fosse negócio! Não é por marketing!

Fora essa questão de cidadania, não acho de todo correcto bloquear os tribunais com questões destas. Há outras formas de refilar e esta nem é a mais fácil nem a mais eficaz. Diga-se que se os tribunais também deixam chegar ao entupimento, então é porque não têm um pingo de imaginação, bom senso nem competência. Mas isto não é novidade e eu sei-o dolorosamente.

Abobrinha disse...

Wilt

Um dia destes vi na televisão (RTP1, se não me engano a uma sexta ou sábado à noite) um programa que fala de casos de acidentes rodoviários e do impacto que tem na vida das pessoas.

Evito cuidadosamente esse tipo de programas (e não vi esse até ao fim) porque sou cuidadosa e tenho experiência a mais nesse campo.

Este caso envolveu inicialmente dois rapazes com 2 pares de pernas e acabou com dois rapazes com uma perna (entre os dois!). Descreveu-se o acidente e era o costume: excesso de velocidade do culpado + distração ao sair da auto-estrada e... pum na traseira do outro + capotanço - 3 pernas. Tudo mais ou menos normal.

Pensei eu: mas que maneira mais dolorosa de aprender uma lição! Mas nem isso: o que ficou com a perna concluiu rapidamente que foi a FALTA de velocidade do da frente que causou o acidente!!! O excesso de velocidade do veículo dele e a distração não tiveram grandemente a ver com o assunto: são coisas que acontecem a qualquer um! Agora o outro é que não tinha nada que andar mais devagar qualquer coisinha!

Estás a ver o meu problema???

E porque é que ninguém vai para as editoras de livros escolares destruir colheitas ou arrancar pescoços???? Ou (mas isto é absolutamente revolucionário) exigir manuais escolares sem aquele papel brilhante nojento e outras paneleirices e (imagine-se) onde se aprenda coisas!!!