domingo, 11 de maio de 2008

Dois casos de abuso de liberdade de expressão e tentativa de entrar na intimidade de outros

É público que eu tenho andado com um probleminha com um certo e determinado comentador que foi daqui erradicado, como se pode ver aqui, aqui, aqui e aqui. Problema que diz respeito à confusão instalada entre o que é e não a liberdade de expressão do outro e como esse me afecta.

Para quem acha que eu sou exagerada, deixo os seguintes casos recentes. Não que sejam comparáveis, mas eu não quero que sejam.

1 - Ricardo Araújo Pereira impõe uma providência cautelar contra a revista TV Mais por mostrar fotografias da casa dele. A coisa já seria grave se ele não estivesse ameaçado por um grupo de extrema-direita, mas ele está. O Ricardo e os restantes membros dos Gato Fedorento são figuras públicas, mas não querem ser fotografados na rua em situações que não têm que ver com o seu trabalho. Têm esse direito, ora bolas!

Se a TV Mais quer fotografias de quem não se importa com a devassa da vida privada, que siga a Fernanda Serrano, que ela não se importa. Eu proponho que a próxima fotografia seja do tumor que ela pelos vistos tem (disse que tinha cancro da mama) quando for doado ao banco de tumores, acompanhado de uma explicação técnica sobre o mesmo e o título "este é o tumor que queria matar a Nandinha". A Nandinha já tem experiência de bancos: fez publicidade ao BPI, curiosamente quando rapou o cabelo por causa de um papel de alguém que teria cancro, por isso está habituada e não se ia importar. Mais: ia adorar!

E para quem achou o último parágrafo tétrico (eu, pelo menos, achei um bocadinho), recordo que a Nandinha não tem pejo em se expor em tudo o que diz respeito à sua vida e à da sua família. O exemplo disso foi o funeral do sogro. Não é o caso do Ricardo, que inclusive está em perigo de vida e leva isso muito a sério.

2- O Jorge Fiel é uma moca, como todos nós sabemos. O blogue dele tem andado menos participado porque ele tem escrito menos. Volta e meia vou lá ver se há novidades e se ele respondeu aos comentários. Quando vi uma série de comentários no post da rapariga da camisola cor de rosa pensei que haveria desenvolvimentos em relação ao conteúdo da camisola e precipitei-me para ler. Quando li coisas sobre o Boavista vi logo o filme: uns ressabiados, danados por o clube descer de divisão por corrupção, lançam-se sobre o Jorge Fiel por não gostar do clube, como disse com muito humor e muito nível neste post que publicou há um ano, quando ainda estava no Expresso (o meu nick lá é Magri, mas há séculos que lá não escrevo nada). Aliás, de cada vez que ele publicava coisas sobre futebol o nível baixava... mas não da mesma maneira que baixava quando ele falava de sexo, o que é grave!

O Jorge Fiel é opinioso. Tem o direito a sê-lo e a exprimir a sua opinião e sabe disso. Ninguém tem que concordar. Mas ninguém tem o direito de o ameaçar, com ou sem nick. Estou com receio por ele: é uma figura pública, tem a sua fotografia escarrapachada em vários sítios e o pessoal do futebol é perigoso. Tenho medo por ele, sinceramente. Jorge, cuide-se!

A quem reclama por eu e outros usarmos um nick e não o nome, pergunto que diferença faz usar Abobrinha e Nuno Andrade: Nunos Andrades há muitos! E eu não ameaço ninguém na net. Mas sou ameaçada, embora só eu o sinta.


Não sendo o meu caso tão grave, cada qual sente as suas. E ser perseguida sistematicamente por um indivíduo é coisa que me afecta os nervos.

5 comentários:

leprechaun disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Oh magri,

1. Perdeste toda a piada.
2. Levas-te uma banhada do "lebreuchan"
3. És ridicula com as tuas intervençoes, face ao ridiculo e fora de prazo fiel.
4. És grosseira e mal educada na forma como te referes ao tumor da outra.
5. Tu que tens a veleidade de intelectualóide, aprende este provérbio: "Esperta? Admiro! Espertinha! Abomino!"

Amigo do Peito (outro era o nome na lavandaria ...)

Abobrinha disse...

Anónimo

Eu podia comentar ponto por ponto, mas vou-me cingir a um e fazer a generalização para os outros.

"levas-te uma banhada do leprechaun"

1. É com maiúscula. Leprechaun é suposto ser mais ou menos como um nome próprio;

2. Não é levas-te mas levaste.

Vai para a escolinha e depois conversamos. E enquanto aprendes gramática vê se aprendes a assinar (de nome ou nick) e a interpretar um texto. Ou vários, se queres ser arrojado ao ponto de te meter em grandes leituras.

Anónimo disse...

Corrigido pela ridicula aluna do ridiculo fiel

Oh magri,

1. Perdeste toda a piada.
2. Levaste uma banhada do "Lebreuchan". É que levas-te mesmo uma banhada do lebreuchan
3. És ridicula com as tuas intervençoes, face ao ridiculo e fora de prazo fiel.
4. És grosseira e mal educada na forma como te referes ao tumor da outra.
5. Tu que tens a veleidade de intelectualóide, aprende este provérbio:
"Esperta? Admiro!
Espertinha! Abomino!"

Amigo do Peito (outro era o nome na lavandaria ... mas na ma apetece dize-lo)

Abobrinha disse...

Ridículo anónimo

Muito bem! Agora aprende a assinar o nome, como um lindo menino e a interpretar um texto.

Depois disso dirige-te à ponte D. Luís, até meio, virado a poente (a vista é mais gira), trepa o gradeamento e atira-te abaixo. De cabeça!