segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Decadentemente saudável - visão da Clara Ferreira Alves

Gosto bastante da Clara Ferreira Alves, mas os textos não me costumam "bater". Ontem foi uma excepção. Possivelmente porque não tenho a idade (no sentido de experiência) dela nem a mesma vivência. O que é natural e mesmo saudável: a cada geração o que é seu, sem "no meu tempo é que era bom" ao ponto de se entrar no saudosismo cego (de preferência sem entrar nele de todo). Deste modo uma geração pode aprender com a outra em vez de se achar o centro do Universo. E estes tempos são extraordinários no sentido em que o saber passa de mais velhos para mais novos... e vice-versa. A minha vida não seria a mesma sem saber o que significa chamar a alguém "tecla 3", por exemplo!

Desta vez a Clara Ferreira Alves escreve algo que eu queria partilhar com todos. Eu que sou um pouco maníaca das coisas saudáveis, porque não quero deixar um belo cadáver para trás mas viver uma vida rica e longa, com decadências escolhidas criteriosamente e que me enriqueçam em vez de me matar. Leiam o texto todo aqui, mas destaco a parte que verdadeiramente "bate". Lembrem-se disso antes de morrerem cedo demais para a morte dos humanos e tarde demais para a morte dos deuses:

"Os primeiros amigos começaram a morrer, cedo demais para a morte dos humanos e tarde demais para a morte dos deuses. Com doenças assustadoras, sida, cancro, enfarte, AVC. É aí que começa a mania da saúde, no medo da doença. E da morte em hospital. A partir de certa idade, a única decadência é essa, e não a gloriosa decadência da juventude. Um bêbado aos 50 não tem graça. Uma cirrose ainda menos. Dois maços também não. "

Outra coisa que eu acrescentaria seria o civismo na estrada, que mata sem critério... e muito! Muito mesmo! Até parece que estamos em guerra! Em guerra connosco mesmos! Parece que não gostamos de nós mesmos e dos nossos semelhantes o suficiente para nos tratarmos bem. Será o nosso problema tão só falta de amor?

Só uma coisa: odeio salmão! Só o tolero fumado ou em sushi, mas neste momento nem é relevante porque sou vegetariana. Tofu é bestial e algumas algas são excelentes. Ou seja, mesmo dentro do saudável não é tudo igual ao litro! E há espaço para toda a gente.

8 comentários:

Anónimo disse...

É pena é que essa senhora pregue uma coisa e faça o seu oposto. Espero que você seja coerente.

Abobrinha disse...

Anónimo

Deu-me a entender que ela falaria de uma decadência pretérita e que agora estaria a contra-gosto a "endireitar". Não por amor às algas ou ao salmão, mas por não querer cair para o lado com qualquer coisa decadente que poderia ter evitado. E distingue o decadente-chique da juventude e dos poetas do verdadeiro decadente que é todo o oposto.

Dito isto, não a conheço de lado nenhum (mas acho que ela fuma na mesma!).

Quanto a mim, não sou santa, mas sou vegetariana, abstémia e não fumadora. Simplesmente porque amor aos animais (e a mim, porque acho que se abusa da carne e do peixe), odeio o cheiro a cigarro e a sensação de perder o juízo com a bebida (e digo coisas do sabor da cerveja que o Maomé não diz do toucinho).

Às vezes tenho que me contrariar para seguir os meus preceitos de higiene de vida (por exemplo, ando a evitar baldar-me ao ginásio sem motivos, porque com este frio não me apetece). Tenho aspectos de mim que tento melhorar e tento não impor o meu estilo de vida a outros... e exijo o mesmo tratamento. Isto pode não parecer consistente com os meus posts anti-tabaco, mas estranhamente até é!

Voltando atrás, não sou santa nem para lá caminho, mas tento ter um rumo de vida. E uma vida saudável.

Joaquim Simões disse...

Vegetariano, já fui, mas, ao contrário dos meus cães e gatos, não abuso da paciência da animalada restante. Fumador, também já não sou, embora nunca me tivesse entusiasmado muito. Abstémio, nunca!, bebo de vez em quando e faço-o sempre a meu favor. Ginásios, os que posso.
O que eu evito mesmo é a Clara Ferreira Alves.
Mas há dias em que a gente tem fraquezas, sobretudo quando acontece arranjarem uma embalagem mais convincente para uma mistela. Pronto, valeu por ela, até porque os hospitais portugueses são, em geral, aterrorizadores.
A falta de sol bate-te mesmo na moleirinha, caramba!

ZumZumMataMoscas disse...

Abobrinha,

Só se vive uma vez e a vida sem pecados não tem piada.
Além da saude fisica existe a saude mental, e o segredo está em procurar um equilibrio em que os escessos e exageros que fazem bem à mente não façam danos irreversiveis ao corpo.

Já agora, vocês vegetarianos, já pensaram que estão a contribuir para a desflorestação do planeta e para o aquecimento global?
Um dia ainda escrevo um post sobre isso.

http://zumzummatamoscas.blogspot.com/

ZumZumMataMoscas disse...

ERRATA

Onde se lê "escesso" deveria estar "excesso".

Desculpem

http://zumzummatamoscas.blogspot.com/

Abobrinha disse...

Joaquim

Temos todos um pé no hospital e um no tribunal. Ambos a evitar ao máximo, mas às vezes tem que ser. Não sei qual é mais doloroso.

Abobrinha disse...

ZumZum

Parecento que não, os animais que comemos também comem. Ervas, normalmente. Muitas. E essas e a água que consomem e restantes recursos é que são em quantidade absurda. Há números a esse respeito.

Dito isto, o homem não é vegetariano mas omníovoro (como o porco), pelo que ser vegetariano não é natural. Mas eu sou uma exagerada!

Eu não sou santa e ainda tenho uma série de coisas que quero acertar em termos de estilo de vida. Mas faço o que posso. Em termos de equilíbrio mental, cuidar do corpo ajuda, mas não faz milagres. Não é como os "new age", para os quais uma alimentação saudável resolve tudo e mais alguma coisa: não resolve e tenho a certeza que hei-de contrair uma porra qualquer que não pedi e para a qual não há explicação.

Quanto ao equilíbrio psíquico, hoje não sou a melhor pessoa para falar no assunto, porque é óbvio que estou completamente destrambelhada, apesar de ter idade e mais que experiência para ter juízo. Pode ser que parte do problema seja mesmo esse, mas não estou em grandes condições para pensar nisso nem em mais nada.

Rui Palmela disse...

Olá Abobrinha (gostaria mais de a tratar pelo nome próprio):

Entrei aqui casualmente por causa de um artigo da Clara Ferreira Alves (A "Justiça Criminosa") que me fez procurar algo mais dela na Net e vim parar aqui, tendo lido alguns comentários por curiosidade.

Despertou-me a atenção o facto de vc dizer que é vegetariana, pois também o sou há mais de 20 anos e aconselho toda a gente a fazer o mesmo por várias razões que naturalmente só poucos entenderão julgando que se limita apenas às questões de saúde que já de si é uma vantagem.

Também escrevo sobre os mais diversos assuntos (a amior parte polémicos) no meu Blog que faço questão de deixar aqui o endereço para quem o queira visitar:

http://alvorecer-escriba.blogspot.com/


Um abraço fraternal de

Rui Palmela
Setúbal