sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Grande revelação da Abobrinha: O Jorge (que não o Fiel) é má língua!

O Jorge (que não o Fiel) é má língua. Isto é um facto por vários motivos: não domina a língua portuguesa e lança falsos testemunhos. Quanto ao resto, estou em crer que também o será e passo a explicar (sim: lá vem seca!).

Entrou neste blogue de chancas no dia 15 de Janeiro às 20:41 a constatar o óbvio: não se aprende aqui nada! Quanto ao pedantismo da autora, está confundido: é peidantismo, mas é do blogue e é só uma tendência recente: os últimos posts têm sido algo para o escatológico. Na volta foi o cheiro que orientou o preclaro até aqui. Semelhante atrai semelhante, ouvi dizer!
Na volta o preclaro Jorge (que não o Fiel) não sabe o que quer dizer "pedante". Diz o dicionário online da Priberam que:

pedante

do It. pedante adj. e s. 2 gén.,
pretensioso;

afectado;
impostor;
que ou aquele que faz ostentação de conhecimentos superiores aos que possui.

Não estou a ver onde aqui a Abobrinha caiba na definição. Mas às vezes o que sai da boca não é o que nos vai na alma. E aqui o preclaro Jorge (que não é o Fiel, mas o da má língua) quer mesmo é atenção.

Ora eu tenho um lado compreensivo e maternal (e um outro que é mau como as cobras e que atira a matar). E se era atenção que queria, é atenção que tem! Não sei se era esta que queria!

Diz o Jorge (que não o Fiel, mas o da má língua, mas não a má língua em que participava o Manuel Serrão): "Minha querida,...muito obrigado pela atenção desejada! tempo de antena não é fácil de arranjar! Continuo no entanto a achar que é uma pretenciosa do pior! É daquelas menininhas com a mania que é a mais esperta da turma. De qualquer modo, seja feliz com as bananas, que nunca lhe faltem!!!!"

E aqui se prova mais uma vez a má língua (não a da Júlia Pinheiro, há séculos na SIC). Ora "muito obrigado pela atenção desejada" não faz sentido: não tem nada que agradecer, porque quem a desejou vou você, Jorge (que não o Fiel, mas o da má língua, mas não a má língua em que participava o Manuel Serrão, que agora participa na Praça da Alegria).

Não sei o que é uma "pretenciosa do pior". Será o modelo superior ou inferior ao "pretenciosa do melhor"? Ou será o mesmo que pretensiosa, aquela que tem pretensões, presunções ou vaidade (obrigada Joaquim!). Lá está: má língua (não a da Júlia Pinheiro, há séculos na SIC, antes de ter lamentavelmente passado para a TVI)! Antes de ser insultar alguém, tem que se ver se o nome está no dicionário. E só se não estiver é que se tem liberdade para escrever mal!

Uma pretenciosa pode ser um compósito de "pretend" e "cio" (vénia ao preclaro Joaquim). Ao entrar pelas línguas estrangeiras o Jorge (que não o Fiel, mas o da má língua, mas não a má língua em que participava o Manuel Serrão, que agora participa na Praça da Alegria e está mais magro que há uns anos) tenta impressionar (ou imprecionar = impress + cio) com um neologismo. Chamar a atenção, no fundo. Digo eu (mas o que é que uma preten-cio-sa percebe do assunto) que para chamar a atenção de uma gaja, não é insultando-a! Ou por outra, é, mas isso só no liceu!

Mas o Jorge (que não o Fiel, mas o da má língua, mas não a má língua em que participava o Manuel Serrão, que agora participa na Praça da Alegria e está mais magro que há uns anos, mas mantém aquele riso contagiante) revela tudo ao dizer "É daquelas menininhas com a mania que é a mais esperta da turma"... tadinho! Além de andar no liceu (que é um mal que eu não desejo a ninguém), ainda tem o azar de ser rejeitado pelas gajas! Sobretudo as espertas! Vai daí, agarra-se à internet e toca de desancar nas gajas!

O desespero do Jorge (que não o Fiel, mas o da má língua, mas não a má língua em que participava o Manuel Serrão, que agora participa na Praça da Alegria e está mais magro que há uns anos, mas mantém aquele riso contagiante, o que junto com a nova elegância lhe há-de garantir anos e anos de vida) é nítido quando diz: "A queca é sempre boa,...com mamas grandes ou pequenas, cus grandes ou pequenos,....a pica é que tem que ser grande como a minha!" ... confirma-se: está com o cio! Patologicamente! Gajo que é gajo é selectivo ou finge-se (claro que nessa altura eu pego com a selectividade com outros argumentos): não diz que come qualquer coisa, desde que venha à rede!

Ou seja, o tipo (fónix, estou farta destes lençóis de texto) quer ir para a cama à viva força! Ora vejam: "Eu sou Troll e quero dar-te uma Trolitada....!!!! ou será uma penachada ???". O que é uma penachada? A sério que não sei! É que, parecendo que não, eu sou um bocado inocente às vezes. Meu caro... a solução são bananas! 40 000 bananas empiladas em lugares públicos! Digo, empilhadas em lugares públicos!! Ou aplicadas topicamente... sem tirar a casca!

Mas tente tratar dessa má língua (não a da Júlia Pinheiro, há séculos na SIC, antes de ter lamentavelmente passado para a TVI para apresentar coisas lamentáveis como a quinta das nulidades). Fique por aqui, pode ser que aprenda alguma coisa! O que não é o objectivo, porque aqui não se aprende nada!

2 comentários:

Gipsy Queen disse...

Cara Abobrinha, tenho a dizer que se tivesse oportunidade de ler um post destes sempre que chego ao emprego, era definitivamente muito mais produtiva! Estou aqui a ponderar (com alguma intensidade), traduzir este texto, para poder compartilhar com os meus colegas (parece-me que precisam de acordar pá vida)!

Sempre ouvi eu dizer: "Há trolls que vêm por bem" ... bem, secalhar não é bem assim!

Abobrinha disse...

Gipsy

Duas coisas:

- "cara" é tratamento formal. Aqui não se entra de fato e gravata. Algumas até entram com muito menos, mas isso são as figuras que eu ponho a ilustrar os meus disparates. Tratamentos aceitáveis são "querida", "Abobrinha" e "genial".

- Caraças, então eu agora contribuo para o aumento da productividade? Só se for traduzido mesmo, desconfio! E mesmo assim só se fores uma tradutora genial. Eu bem digo que o meu blogue tem uma lógica comercial. Quando quiseres, mando-te o meu NIB para partilhares comigo os lucros que resultam deste aumento de produtividade.

Os trolls são sempre bons! Infelizmente acho que espantei o meu! Peninha!