sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

Anal(ise) de um a(n)nu(s) real

Depois da famosa ou infame queca real, apresento-lhes... o annus real! Horribilis ainda por cima!


Não, não vou mostrar o rabo de ninguém, porque não tenho imagens... pena! Mas também, que rabo real é que valeria a pena? Ora o do... o da... dos... ... ... bom, não interessa! Estamos a perder tempo e eu não estou a caminhar para mais nova.

Ora um dos meus orgãos de informação preferidos de momento é o el Jueves, que sai los miercoles (o que só seria relevante assumindo que eu sabia os dias da semana em espanhol, o que não é o caso).


O El Jueves é como que o sistema digestivo completo da informação: a informação entra e sai completamente digerida e processada ao máximo. Ou seja, depois de tudo processado só sai merda mesmo! Mas a cheirar bem! Os jornais normais são só estómagos, porque ainda deixam os alimentos de modo a poderem ser absorvidos de acordo com as necessidades.

Isto está muito escatológico. É bom não estarmos na Natureza, porque lá não há casas de banho... mas há carraças... eeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeek!

Parece que 2007 foi o annus horribilis para o Juan Carlos de Espanha. E o El Jueves, que ainda parece apreciar menos a monarquia que eu (viverem numa pode ter a sua influência) não deixa a coisa por menos e zumbam no pobre do Juan Carlos sem dó nem piedade! Eu até acho alguma graça ao homem, mas sou anti-monárquica dos quatro costados, por isso tenho que me rir. Não necessariamente da pessoa, mas essencialmente da instituição. E quem é que quer ser uma instituição?

Tenho para mim que cada qual toma conta do seu annus, rei ou não. El Jueves, los Miercoles, sábados, domingos, dienstag, donnerstag, etc. Incluindo férias e dias santos (ateus incluídos, mas não estou a contar ter discussão neste ponto). Há guarda-costas, guarda-livros, guarda-rios, mas não há guarda-annus. Por alguma coisa é! Higiene e segurança no trabalho! Nem todos são como o Carlos de Inglaterra, que tem um criado para lhe limpar o rabo (ou seria para lhe pôr a pasta dos dentes na escova? Who cares!).

O El Jueves disponibiliza as primeiras páginas de cada uma das secções. Aqui tenho pena de não compreender espanhol (e de metade das piadas me passarem ao lado por falta de contexto), mas uma coisa é absurda: 47 usos para a monarquia??? Pá, nem no gozo! Que exagero!



Em contrapartida não sei o que pensar disto, mas é definitivamente real e vários annus horribilis!


3 comentários:

Krippmeister disse...

A dança dos espanadores é algo tão estúpido e sem sentido que deve ser arte.

Joaquim Simões disse...

É arte dirigida não aos sentidos, mas exclusivamente à inteligência, portanto arte para artolas...
(isto hoje tá fraquito!)

Abobrinha disse...

Joaquim

Vamos lá ver uma coisa: isto não é um blogue para aprender nada! Daí que ensinar seja o que for e/ou fazer comentários interessantes também não é uma obrigação.

Chill out! Relax! Bebe um copo (não muito, só um bocadinho) e debita as patacoadas que te apetecer, quando te apetecer! Com sorte a palermice será tanta que dá direito a post e tudo!

No caso, a inteligência dos tipos estava localizada exactamente na ponta dos espanadores. Mas a dívida mais pertinente é: onde é que eles encaixaram os espanadores? Nada que eu tencione descobrir experimentalmente: às vezes a teoria basta-me!