sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Eu sou racista!!!

Quem me acompanha há um tempo sabe duas coisas: 1. Quase nada do que eu escrevo é o que parece à primeira vista; e 2. Eu já exclamei num título "Eu sou lésbica!" (curiosamente por causa de uma gaja).

Desta vez a coisa é semi-séria, porque eu... sou de facto racista! Eu explico: toda a gente é racista (pretos, brancos, mulatos, amarelos, ...) e eu também. É nesse sentido o meu desabafo. Não sou menos racista que os outros, mas sou menos que muitos.

Sou racista porque sou capaz de escrever neste blogue ou dizer em frente a brancos que o Obama é preto... mas se tenho um preto/negro/africano à frente não consigo. E sou racista porque de facto não consigo encarar com naturalidade o facto de o Obama ter ganho as eleições: acho, de facto, extraordinário e sinto-me contente por essa conquista dos direitos cívicos. E não devia! Compenso com a consciência de saber que não gosto muito dele como pessoa, e não como símbolo de uma raça. O que... é fraco consolo! Porque me sinto racista na mesma!

Nestas coisas há que ser politicamente correcto. Uns chamam ao Obama negro. Outros afro-americano, um termo que me aborrece estupidamente, mas estranhamente se aplica bem ao Obama porque de facto ele é meio africano (pai queniano) e meio americano. O mesmo não é válido para mais preto nenhum americano tão americano como um branco porque... porque então é que é um branco americano? Eu digo que o Obama não é preto, mas meio branco, mas é mesmo só para disfarçar: porque quem olha para ele sabe que ele é... preto!!

Mas como sempre, a verdade vem da boca dos inocentes (ou desbocados?). E o Sílvio Berlusconi é que acertou em cheio: ele é belo e bronzeado! Daqui:

"De visita à Rússia, onde se encontrou com o chefe de Estado Dmitri Medvedev, o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, considerou que as relações entre Moscovo e o Presidente eleito norte-americano têm tudo para dar certo, já que Barack Obama «é jovem, belo e também é bronzeado»."

E com esta calou-me!

8 comentários:

info-excluído@pessoa disse...

Eu percebo a lógica da abobrinha, que não é a da batata, mas pensar que é extrardinário o Obama ter ganho não significa necessariamente ser-se racista.
Acontece que se contava com a dificuldade da eleição naquela sociedade, ou seja, contava-se, ou receava-se, o racismo dos outros (dos americanos).
Essa ideia,de resto, não era descabida, tanto quanto se podia depreender da realidade americana (e não só).
Felizmente os receios não se confirmaram.
O Obama é belo e bronzeado e a sua eleição uma coisa magnífica, linda e dourada.
Vamos ver a governação.

Joaquim Simões disse...

'Bobrinha:
Quanto a mim, estou-me a c... se o presidente é branco, preto, mulato, pardo ou bexigoso. O problema é que o homem é bronzeado (cada vez gosto mais dos desbocados, e aquele conhece - oh! se conhece! - o valor da publicidade...). O Sócrates também é.
A história dos negros ao poder, para mim, é treta. O Colin à Condoleeza já tiveram antecessores, que o partido republicano sempre os incluiu, ao contrário do democrata. O problema da raça disfarça o problema principal: o da pobreza, onde de facto há mais negros, esses sim, os pretos, amarrados à pobreza pelos preconceitos que, para isso, dão tanto jeito. A vitória do Obama, mais do que dos pretos é a dos mais pobres. Mas será mesmo vitória?
O que me faz impressão no homem é a capacidade que ele teve de mobilizar tanto capital. É óptimo a captar dinheiro (o próprio director de campanha dele se espantou). E os favores pagam-se. Com quê?
E é óptimo a dizer o que as pessoas querem ouvir e do modo e como o querem ouvir e na altura certa, sem necessidade de pensarem muito no verdadeiro significado e implicações de tudo aquilo. Ao contrário de McCain, que falou nas dificuldades e no esforço colectivo.
No discurso de vitória, porém, candidatou-se de imediato a um segundo mandato, que o projecto é para oito anos. Já ouvi isto em qualquer lado, com os efeitos que tem tido.
Mas a coisa é muito mais complexa e vou tentar arranjar tempo (raio do tempo!) escrever um post sobre isto.

Abobrinha disse...

Info-excluído

Benvindo. Atenção que aqui não se aprende nada!

Eu continuo a achar que é racista da minha parte não encarar com a mesma naturalidade um preto ser eleito. Afinal, há brancos a ser eleitos o tempo todo, porque é que um preto tem que ser diferente? Simplesmente não sei encarar a coisa de modo diferente. Talvez com o tempo. Talvez eu assumir o meu racismo diga coisas boas de mim. Isso e saber que é um racismo light, igual ou inferior ao de muitas pessoas.

E sim, o que conta é a governação. Mas ele tem vantagem: depois do Bush qualquer coisa é boa... digo eu...

Abobrinha disse...

Joaquim

Sim, o estigma da pobreza é grave.

Vi uma vez um programa em que se apontou aos alunos negros/pretos/afro-americanos numa escola americana que ele eram DE FACTO os piores da turma. Que de facto haveria uma correlação raça-fraco desempenho escolar e fizeram-nos sentir vergonha. Como é óbvio, os resultados eram por falta de esforço e os miúdos passaram a esforçar-se (com ajudas, como é preciso dar a miúdos) e a situação mudou.

Talvez esta eleição seja um exemplo positivo... ou talvez não passe de fogo de vista! Não sei: isto são coisas complexas demais! Mesmo porque há (além de rappers e desportistas) muito exemplo de muito negro americano bem sucedido e rico.

E agora olho para o nosso parlamento e... vejo a alvura dos que lá se sentam... não será inteiramente normal num país mestiçado por séculos de colonialismo... ou será?

GATA disse...

My Dear, os americanos tem IMENSAS opções para classificar as pessoas! Por exemplo, nos EUA eu estou 'cadastrada' como CAUCASIANA. Mas se eles soubessem que eu era neta de espanhóis, a ver se não me mudavam logo para WHITE LATIN! Sim, porque os latinos tem várias cores! :-)

Abobrinha disse...

Gata

ADORO classificações dessas... ... NOT! Bem, eu sou filha, neta, bisneta e sei lá mais quê de portugueses brancos... suponho que a minha "raça" seja "boring white portuguese". E sabes que mais? gosto de mim assim mesmo!

Vanessa disse...

Sabe porque, eu sei...
Porque você não passa de uma portuguesinha burra e sem noção...
Que diferença faz se o cara é negro, mulato, preto, amarelo, pouco importa...
O que importa é que o cara foi eleito sim, um marco na história, mas ele pode acabar com o páis, como pode deixar no mesmo, como pode melhorar. FODA-SE a cor que ele tem. Fico puta com essas coisas, claro, sou brasileira, aqui tem de tudo, todas as raças. GRAÇAS AOS PORTUGUES, HOLANDESES, ITALIANOS, CHINESES, AFRICANOS E POR AÍ VAI.

Augusto disse...

Só um desabafo...
Depois dos portugueses no Brasil, qualquer merda é melhor.

Obrigado